"Eu não precisava ter feito TV sofrendo tanto", diz Giulia Gam

15/11/2008 03:02

Giulia Gam é uma profissional decidida. Quando recebeu a sinopse de sua personagem Diva, de A Favorita, resolveu de cara aceitar o papel, mesmo sendo questionada por determinadas pessoas, que consideravam o personagem periférico. "Era apenas uma participação. Mas importante. Vi que eu tinha boas possibilidades ao desenvolver esse trabalho e não titubeei", resume a atriz.

Com tantas mudanças em sua trajetória na novela, a misteriosa e multifacetada Diva morreria de uma doença grave nos capítulos iniciais, mas passou a se integrar com vários personagens do folhetim e agora aparece como Miranda/Rosana, no sítio de Augusto César, vivido por José Mayer. Mesmo integrando tramas às vezes bastante contraditórias entre si, Giulia se engrandece com o papel. "Na verdade vivo várias personagens. É uma experiência inédita para mim", valoriza.

Mas o prazer em fazer novelas nem sempre existiu. Quando iniciou a carreira, Giulia esnobava a televisão, queria viver somente de teatro. Chegou a chorar por aceitar fazer a Aline de Que Rei Sou Eu?, seu primeiro folhetim completo, em 1989. "A lavagem cerebral foi forte. Só me livrei dessas idéias há pouco tempo", conta.

Hoje aos 41 anos, ela mais uma vez decidiu que pode se realizar profissionalmente em diversos projetos e confessa que adora receber o carinho do público nas ruas. "É uma delícia ver o público perguntar sobre o meu personagem e meu trabalho", derrete-se a atriz.

 

Inicialmente, sua personagem morreria em A Favorita, mas o autor resolveu mantê-la na novela e criou várias histórias mirabolantes para ela. Não é difícil defender uma figura tão ambígua?
É complicado. Porque são várias figuras em uma. No início ela dizia muita coisa pelo olhar, era de pouco texto, objetiva. Quando surgiu a história do tráfico de armas tinha de se mostrar poderosa, fria. E agora que voltou para o sítio do Augusto César como Miranda/Rosana surgiu uma outra personagem, que carrega todas essas histórias já mostradas. Eu tenho de quebrar a cabeça para criar uma liga entre tantos acontecimentos. O autor até me confessou que seria mais fácil se ela fosse uma bandidona. Mas com as cenas tão humanas que ela viveu na prisão, não seria possível. Quando me perguntam se ela é boa ou ruim, digo que não é nem uma coisa e nem outra. Só é uma mulher que fez escolhas sem pensar muito nas conseqüências.

 

Tantas transformações não escondem uma personagem que pode ser vista como inconsistente?
A Diva é uma personagem surpreendente. Quando ela se envolveu com o tráfico de armas, eu não acreditei. Nunca imaginei que pudesse viver isso em uma novela. Ainda surgiu o envolvimento com o guerrilheiro Tito, que foi uma história forte.

Até que ela começou a se ligar com outros personagens como o Romildo Rosa e o Zé Bob. O João Emanuel me encontrou e disse que eu lhe rendia muita dor de cabeça, porque a Diva é uma personagem muito aberta. Mas na verdade acho que sou um coringa na novela, tento dar várias possibilidades para o autor. Logo que comecei a gravar, percebi a complexidade desse trabalho. A verdade é que meu feeling é bom para escolher personagens.

 

E o que esse seu feeling indicava?
Gostei do papel desde a sinopse. E enxergava várias possibilidades nesse trabalho. Tanto que, no início da novela, muita gente estranhava o meu interesse em fazer a Diva, já que era apenas uma participação. Mas eu já sabia o que aconteceria com a Flora e também que minha personagem conviveria com a Donatela na prisão. Só não podia dar entrevistas falando isso. Na verdade, se a Diva tivesse morrido depois de toda a história na cadeia, acho que já teria valido a pena. De cara, fiquei feliz em saber que o autor João Emanuel Carneiro queria trabalhar comigo há tempos. Até que entre uma gravação e outra o diretor Ricardo Waddington disse para mim que ia pedir para o João me manter na história. Ter continuado foi uma surpresa incrível para mim.

 

Mas nem sempre você se empolgou tanto com trabalhos na TV. Você já teve medo de aceitar determinados papéis, não?
Já achei que estaria me vendendo para o sistema se topasse fazer televisão. Quando fui chamada para fazer Que Rei Sou Eu?, em 1989, fiquei até 10 horas da noite conversando com o Daniel Filho e com o Roberto Talma para que eles me convencessem. Eles questionavam: "que sistema? É uma novela maravilhosa!"

 

Mas a novela Mandala e a minissérie O Primo Basílio vieram antes...
Mas em Mandala era uma participação de 15 capítulos e minissérie era outra história. Mesmo assim, em Mandala eu passei o final de semana inteiro chorando para tomar a decisão, até que me ligaram na segunda-feira e decidi fazer. Já fazer uma novela inteira, era demais para mim. Eu trabalhava com o Antunes Filho. Ainda muito nova, tive contato com pessoas que viam o teatro de uma maneira religiosa, filosófica ou como uma transformação ideológica. Quando penso em tudo isso...

 

Você se arrepende de ter pensado assim?
Acho incrível que eu tenha chegado a pensar assim. Mas de qualquer forma, isso me ajudou a ser resistente a determinadas coisas. Poderia ter feito um contrato longo com a Globo aos 19 anos. Todo mundo fazia. Havia muitos atores jovens ganhando o salário de um executivo de 50 anos. Aí eles compravam casa, carro, cachorro e para manter essa estrutura deixavam de se arriscar em outras coisas. Mas acho bom você conviver com diferentes grupos, montar uma peça, ir para a Europa ver o que está acontecendo. Enquanto você não tem filhos e não é responsável por ninguém, você pode ir buscar outras coisas, experimentar. Eu só não precisava ter sido tão radical e ter feito TV sofrendo tanto.

 

O que te fez mudar de opinião?
A experiência. Ela me mostrou que não era o veículo que me fazia, mas que eu poderia agir nele. Algumas pessoas me falavam que eu tinha empatia com a TV e eu achava ruim. Porque eu pensava que ator bom realmente não funcionava na TV. Pode isso? Mas hoje acho que tenho essa empatia realmente. Sem contar que estou mais velha, tenho um filho e o seu modo de pensar vai mudando. Um ator pode viver momentos de realização na TV.

 

Quais foram os seus?
Mulheres Apaixonadas, por exemplo, que está sendo reprisada agora. Nessa novela eu vivi um momento que talvez não se repita mais na minha vida. Não foi só o orgulho de fazer bem um trabalho. Mas por meio da minha personagem, a Heloísa, o Manoel Carlos tocou em um ponto que nem ele e nem eu imaginávamos que ia tomar um tamanho tão grande: falar das doenças da alma. Isso deu muita repercussão no Brasil e em outros países em que a novela foi exibida. Com a história do ciúme pelo marido, de destratar os porteiros, as pessoas viam-na como uma chata, mas depois tinham pena da Heloísa. Mexi com homens e mulheres fazendo essa novela.

 

Foi o seu melhor momento?
Foi um momento importante. Eu já tinha meu filho, estava acabando de enfrentar uma separação e veio o convite. Foi como se eu estivesse começando do zero. Mas há outros trabalhos importantes na minha carreira. Já fui protagonista, já fui mocinha, fiz Dona Flor e Seus Dois Maridos, além de tantos projetos com o Guel Arraes. Agora veio a Diva, depois de um momento difícil em que perdi minha mãe. Estou feliz com esse trabalho também. É legal ver que você sabe fazer e ainda tem prazer em fazer.

 

História internacional

Filha de um engenheiro e uma psicóloga, Giulia Gam nasceu na cidade de Peruggia, na Itália, em 28 de dezembro de 1966. "Meu pais moravam mesmo é na França. Mas resolveram passar dois anos na Itália e nasci ali", conta a atriz.

Seu primeiro nome é em homenagem ao país em que nasceu. Já o sobrenome Gam é dedicado ao avô paterno, que é dinamarquês. Com apenas um ano de idade, a filha única Giulia se mudou com os pais para o Brasil e enquanto crescia, sempre ouvia as conversas dos pais citando o filósofo francês Jean-Paul Sartre e sua mulher, a escritora Simone de Beauvoir. "Eles viviam intensamente essas influências e mais tarde fui entender o que era tudo isso", recorda a atriz que, aos 15 anos, já encenava em palcos paulistanos, e como protagonista, a peça Romeu e Julieta, de William Shakespeare. "Viajei para vários países em apresentações teatrais", destaca Giulia, uma apaixonada pelo teatro.

Foi só em 1987 que ela topou se aventurar na televisão. Estreou como a jovem Jocasta, de Mandala, e participou de outros projetos importantes na TV, como a Comédia da Vida Privada, A Vida Como Ela É, além da novela Fera Ferida. "Até meus 30 anos eu sempre queria saber quem ia me dirigir, quem estava no projeto. Depois passei a dar mais valor para o texto em si", conta Giulia. Hoje com 41 anos, ela conta o desejo de se testar como diretora. E torce para que este momento esteja próximo. "Trabalhei com tantos diretores consagrados que tenho uma auto-censura muito grande. Mas acho que posso me surpreender", aposta a atriz.

 

Ironias do destino

Giulia Gam queria mesmo ser médica. Como não foi possível, hoje ela fica na torcida para que o filho Théo, de 11 anos - filho de seu casamento com o jornalista Pedro Bial - opte por essa carreira. "Mas esses dias visitei uma exposição sobre o corpo humano com ele e senti que essa possibilidade é cada vez mais remota", lamenta a atriz.

Ela jura que o estimula o mínimo possível a seguir sua carreira. Mas nem tudo está sob seu controle. "Ele representa tão bem. Faz umas imitações muito engraçadas", afirma a mãe coruja, com um sorriso incontrolável. Há pouco tempo, Giulia ouviu pela primeira vez o filho dizer que pensa em ser advogado. E ao ser questionada se ele faz algum curso de teatro ou se poderia assinar um contrato longo com alguma emissora de TV, ela rapidamente responde: "Pelo amor de Deus!", soltando uma gargalhada. "Mas eu tento incentivá-lo no violão e na prática de esportes", emenda.

 

Trajetória Televisiva

# Mandala (Globo, 1987) - Jocasta jovem.
# O Primo Basílio (Globo, 1988) - Luísa.
# Que Rei Sou Eu? (Globo, 1989) - Aline.
# Fera Ferida (Globo, 1993) - Linda Inês.
# Dona Flor e Seus Dois Maridos (Globo, 1998) - Dona Flor.
# A Padroeira (Globo, 2001) - Antonieta.
# Mulheres Apaixonadas (Globo, 2003) - Heloísa.
# Bang Bang (Globo, 2005) - Vegas Locomotiv.
# Eterna Magia (Globo, 2007) - Regina.
# A Favorita (Globo, 2008) - Diva.

 

Fonte: http://noticiasar.terra.com.ar/tecnologia/interna/0,,OI3569037-EI13419,00.html