Giulia Gam diz que cabelos longos do aplique a deixaram com cara de mais jovem

13/08/2014 00:44

Giulia Gam custa a acreditar no que ouve pelas ruas. Loura e com um megahair fixo para interpretar a Carlota de “Boogie Oogie”, a atriz ainda está um pouco confusa com a quantidade excessiva de elogios que tem recebido sobre o novo visual. Mas, aos 47 anos, abre um sorriso de orelha a orelha — emendado por uma simpática e sonora gargalhada — quando escuta que está mais jovem.

— Eu tinha a ideia de que cabelo comprido não era para mulheres com mais de 40 anos, que isso era uma coisa mais adolescente. Mas parece que não. Pelo visto, funciona, né? — dispara Giulia, que ainda está aprendendo a brincar com as longas madeixas: — Eu adorei! Na verdade, eu tive que me adaptar, e estou tendo ainda, porque fico com medo do megahair, de ter mais cabelo, de lavar. Tudo dá um pouco mais de trabalho. E olha que eu ainda nem aprendi a usar presilha, a enrolar, a fazer um coque, essas coisas de mulher. Agora eu entendo, por exemplo, por que o cabelo cai quando fica úmido! Passei a ficar ligada nessas questões femininas.

O look da mulher falsa e manipuladora casada com Fernando (Marco Ricca), na trama das seis, também é motivo para viagens a um passado distante da atriz, quando ela ainda era uma jovem iniciante na carreira. Aos 15 anos, Giulia estreou nos palcos profissionalmente com uma montagem do clássico “Romeu e Julieta”, dirigida por Antunes Filho. Na cabeça, além de muita energia, reinava uma vasta cabeleira.

— Eu tive cabelo comprido até os 17 anos. No caso da Julieta, era o meu cabelo mesmo! Quem me conhece, sabe que eu era mais hippie, bicho grilo. Eu adorava usar aquelas sandálias de couro lá da Bahia, batas indianas, calça jeans... Foi a minha primeira moda — lembra a atriz, que acredita que, na década de 70, período em que a novela é ambientada, havia uma preocupação maior com a vaidade: — As mulheres eram muito mais femininas. As pessoas se arrumavam mais. Era todo um tempo de cuidado com o corpo, de se arrumar, colocar o perfume.

Hoje, mesmo antes de saber se a personagem que interpreta será um sucesso, Giulia carrega embaixo da manga uma única certeza: a três anos de completar 50, está muito bem, obrigado. Com o corpo, a carreira, o coração e a família. E o cabelo, é claro.

— Estou começando a acreditar que estou mais bonita. Sempre fui muito preocupada com trabalho, em virar personagem. A beleza nunca foi uma questão para mim. Por isso estou achando tudo engraçado! Eu nem sei o que responder quando me elogiam — admite a loura, que não perde um minuto para fazer graça com a novidade: — Eu era conhecida como a boa atriz, a inteligente, a que interpretava bem, a simpática... Com esse cabelo, eu sou a linda! Agora não sei o resto, se vou continuar interpretando bem... Aos 47 anos, acho que prefiro ser linda mesmo!

Fonte: http://migre.me/kZmoE