Sangue bom: Assustada com maldades da filha de sua personagem, Giulia Gam acha que loura será abandonada

15/08/2013 22:46

Ninguém mais tem dúvida de que Amora (Sophie Charlotte) é a grande vilã de “Sangue bom”. Depois de trocar o exame de DNA e Fabinho (Humberto Carrão) e Bento (Marco Pigossi) e perto de atear fogo na ONG onde Malu (Fernanda Vasconcellos)trabalha, não dá mais para usar a desculpa de que a it girl é uma sobrevivente e que faz tudo por amor ao florista, como acontecia no início da trama. Até a intérprete de Bárbara Ellen (Giulia Gam), que sempre apoiou a moça, acha que a loura será passada para trás pela filha adotiva.

— Está ficando muito claro que Amora tem um lado bem cruel. Ela é uma continuação da Bárbara, mas acho que minha personagem está mais para trapaceira. Já Amora comete crime. Quando ela confessa que colocou fogo na Toca do Saci, aí Bárbara se assusta. Acho que se Amora realmente se der bem, tiver sucesso, ela será capaz de deixar Bárbara sozinha — afirma Giulia.

Orgulhosa da atuação de Sophie, a atriz se penaliza por Malu ter que assistir à própria mãe apoiar as maldades da vilã e ignorar a vida correta que a pedagoga leva. Mãe de Theo, de 15 anos, de seu casamento com Pedro Bial, a atriz fala dos limites na hora de educar:

— Malu se recente muito disso. É porque estamos numa novela das sete. Se fosse aprofundar essa discussão, teríamos muito pano para manga. Não acho que temos que apoiar um filho incondicionalmente. O amor, sim, é incondicional, mas ele demanda limites e essa é a grande angústia de um pai nos dias de hoje. Acho que antigamente as regras eram mais claras, mas também porque a sociedade era mais rígida, não havia diálogo. Hoje você tem que ficar muito atento. Se já está difícil para nós mesmos, imagina quando tem alguém que depende de você.

Fonte: http://migre.me/fKSmN