Um Shakespeare brasileiro em comédia e tragédia no Sesc Vila Mariana

08/11/2015 20:19

Kyra Piscitelli, do Aplauso Brasil

Giulia Gam e Tiago Lacerda protagonizam “Macbeth”

SÃO PAULO – O ator Thiago Lacerda e o diretor Ron Daniels, brasileiro, radicado em Nova York, e um dos principais diretores teatrais da britânica Royal Shakespeare Company, de Stratford-upon-Avon (a célebre companhia resgate da trupe do bardo inglês), levam aos palcos do Sesc Vila Mariana a tragédia Macbeth e a comédia Medida por Medida,  até janeiro, alternando a apresentação das peças.

O encontro acontece três anos após os dois montarem Hamlet, outro clássico do autor inglês. Os dois encaram a empreitada como um projeto que começou no primeiro encontro teatral e, agora, estende-se para formar um repertorio. O elenco de Hamlet, inclusive, está quase todo em cena, somando-se a novos atores (14 pessoas fazem as duas peças). Juntos formam uma especie de companhia teatral que quer atingir a função de replicar a tradição e atualizá-la dentro desse contexto da atualidade. Daniels brinca que o ponto de partida para as montagens é a de que “Shakeaspeare era basileiro”.

Marco Antônio Pâmio é o protagonista Duque em “Medida por Medida”, ao lado da atriz e Luisa Thiré, que interpreta Isabella

Os dois espetáculos propõem que a plateia e os atores façam um exercício de oferecer e trabalhar com o mesmo elenco ora em personagens principais, ora em secundários. A atriz Giulia Gam, por exemplo, interpreta Lady Macbeth e também a Sra. Bem-passada, uma mulher de bordel, em Medida por Medida. Já Thiago Lacerda faz Macbeth, o herói de guerra que se transforma em um assassino bestial, e o conselheiro moralista Angelo em Medida por Medida. Marco Antônio Pâmio é Macduff em Macbeth e o protagonista Duque em Medida por Medida, ao lado da atriz e Luisa Thiré, que interpreta Isabella, e Lady Macduff, em Macbeth.

O diretor diz desejar que o público possa assistir as duas peças. “O mesmo elenco fazendo duas peças distintas. O cenário é o mesmo de certa forma e os figurinos completamente diferentes”. Para ele, seria importante fazer uma peça 17h e outra às 20h e ter a plateia embarcando nisso. Lacerda até o interrompe e brinca que “não será possível aqui (Sesc) por enquanto, mas dependendo temos tempo para negociar.”

Movido pelo amor ao texto e ao Shakespeare, Daniels diz que não tem ideia das diferenças na direção de uma comédia e uma tragédia. “Nós trabalhamos as duas peças especificamente . A gente analisa a cena, a gente realiza a cena, e a gente junta as cenas e depois a gente vê o que tem . Tão simples. Não há uma técnica para resolver o problema de comédia e de tragédia. De certa forma, eu diria que o caminho, é que quanto mais ausente eu ficar na direção melhor. Se o ator tem o contato direto, uma triangulação com Shakeaspeare, ator e a plateia”, diz. Segundo ele, a única diferença entre uma tragédia e uma comédia é que uma acaba em morte e a outra em casamento (o que no caso de Medida Por Medida são em três casamentos).

Thiago Lacerda é só agradecimento pelo projeto. Visivelmente apaixonado diz que é um orgulho fazer parte de um coletivo. “Todo mundo se dedica e o que a gente faz não é possível se não fosse da forma que a gente faz”, diz. E quando o assunto é Daniels, ele é taxativo: “é o melhor diretor e adaptador de Shakeaspeare”. Para o ator, o bonito em Ron é que ele “confia no texto” e trabalha as complexidades e contradições que o autor inglês traz com maestria.

Macbeth é a peça que Lacerda sempre quis encenar. “O personagem se degenera ao longo da história, mas a essência dele é de um homem gradioso, de um homem bom e taí a trajetória trágica da peça. Essa trajetória terrível de como um homem maravilhoso se decompõe. Como essas camadas de beleza vão sendo tiradas e revelam uma figura animal e primitiva. Isso é angustiante para mim e para a plateia”, afirma.

A atriz Luisa Thiré chama atenção para a tradução dos espetáculos, feita pelo próprio Daniels em parceria com Marcos Daud. “A primeira vez que li a peça Medida por Medida (eu não lembro a tradução) não entendi nada e a agora que eu reli nesta tradução. Eu achei uma peça linda, divertida. É fácil de ser entendida e gostosa de ser dita. Tem poesia e é popular como era o autor. Tem a capacidade de chegar em todo mundo. É atual e é para todo mundo, diz.

O ator Lui Vizotto, que faz seu primeiro Shakeaspeare, concorda com a parceira de elenco. É uma tradução que cai bem na boca, que a gente sente como dito para a realidade de hoje. Me sinto dessa família. Tenho ganhado grandes amigos”.

O humor dos espetáculos está, principalemnte, nas mãos de Felipe Martins e Lourival Prudêncio. Que nas palavras do diretor são os melhores clowns que já viu em cena. Ao usar bons palhaços em cena, Daniels busca humanizar e popularizar o clássico de forma responsável.

Uma das apostas das montagens é que não há um cenário em cena e sim uma instalação artística: um painel criado pelo grafiteiro Alexandre Orion, que se modifica e pretende integrar e conversar com a plateia. A ideia de chamá -lo veio a partir da obra Ossário (2006), realizada na fuligem das paredes do túnel Max Feffer, em São Paulo. O artista traz à cena da rua exatamente a tentativa de um diálogo entre espaço público, passantes e o caos da cidade.

FICHA TÉCNICA Texto: William Shakespeare Tradução: Marcos Daud e Ron Daniels Concepção e Direção: Ron Daniels Curadoria Artística: Ruy Cortez Instalação cênica | Painéis: Alexandre Orion Instalação cênica | Cenografia: André Cortez Figurinos: Bia Salgado Desenho de Luz: Fábio Retti Composição e trilha original: Gregory Slivar Diretor assistente: Gustavo Wabner Preparação corporal e direção de movimento: Sueli Guerra Coordenador de ação: Dirceu Souza Visagismo: Westerley Dornellas Preparação vocal: Lui Vizotto Preparação de luta: Rafael Losso Cenotécnica: Fernando Brettas | Onozone Studio Figurinistas assistentes: Alice Salgado e Paulo Barbosa Indumentária e adereços: Alex Grilli e Ivete Dibo Costureiras: Francisca Lima Gomes e Marenice Candido de Alcantara Camareiros: Diro Faria, Renato Valente e Regina Sacramento Projeto de sonorização: Kako Guirado Operador de som: Renato Garcia Operadora de luz: Kuka Batista Diretor de palco: Ricardo Bessa Edição de texto: Valmir Santos Foto de cena: João Caldas Foto do processo | Still: Adriano Fagundes Design Gráfico: 6D Assessoria de Imprensa | SP: Adriana Monteiro

Relações institucionais: Guilherme Marques e Rafael Steinhauser Administração: Flandia Mattar  Assistente administrativa: Mara Lincoln Assistência de produção: Claudia Burbulhan, Diego Bittencourt, Marcele Nogueira e Paulo Franco Produção Executiva: Luísa Barros Direção de Produção: Érica Teodoro Produção: CIT-Ecum, TRL e Pentâmetro Realização: Sesc SP  Elenco I Personagens

 

Thiago Lacerda: Angelo (Medida por Medida), Macbeth (Macbeth)

Giulia Gam: A Sra. Bem-passada (Medida por Medida), Lady Macbeth

Marco Antônio Pâmio: Duque (Medida por Medida), Macduff (Macbeth)

Luisa Thiré: Isabella (Medida por Medida), Lady Macduff (Macbeth)

Sylvio Zilber: Éscalo (Medida por Medida), Duncan e Velho Seward (Macbeth)

Marcos Suchara: Lucio (Medida por Medida), Banquo (Macbeth)

Lourival Prudêncio: Pompeu (Medida por Medida), Sargento, Porteiro e Doutor (Macbeth)

Felipe Martins: Cotovelo e Barnabé (Medida por Medida), Feiticeira, Mensageiro, Assassino (Macbeth)

Ana Kutner: Mariana, Freira (Medida por Medida), Feiticeira, Enfermeira (Macbeth)

Rafael Losso: Claudio (Medida por Medida), Malcolm (Macbeth)

André Hendges: Superintendente (Medida por Medida), Ross e Oficial (Macbeth)

Fabio Takeo: Frei Thomas, Guarda + Franchão (Medida por Medida), Lennox (Macbeth)

Stella de Paula: Julieta e Katia François (Medida por Medida), Feiticeira, Fleance e Mensageiro Branquela (Macbeth)

Lui Vizotto: Lelé, Guarda, Frei Bento (Medida por Medida), Donalbain, Assassinos, filho de Macduff (Macbeth)

 

 

SERVIÇO:

Repertório Shakespeare, no Teatro do Sesc Vila Mariana: De 05/11 a 31/01/2016. (de 21/12 a 06/01 – Intervalo de fim de ano)

Quinta a Sábado, às 21h. Domingo, às 18h Macbeth – quintas-feiras e sábados, às 21h – duração: 100 minutos, sem intervalo. 12 anos

Medida por Medida – sextas-feiras, às 21h e domingo, às 18h – duração: 110 minutos, sem intervalo. 12 anos

Capacidade: 620 lugares

Indicação de faixa etária: 12 anos

(Excepcionalmente no feriado de 20 de novembro (sexta-feira) a apresentação de Medida por Medida será às 18h) 44 apresentações. 22 de cada obra. 2 sessões por semana de cada obra. 11 semanas.

Ingressos: R$ 60,00 (inteira) l R$ 30,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor de escola pública com comprovante) e R$18,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculados no Sesc e dependentes/Credencial Plena).

Venda online no Portal Sesc SP a partir das 20h do dia 27/10; nas bilheterias, a partir das 17h30 do dia 28/10. Os ingressos podem ser adquiridos em todas as unidades do Sesc

 

Horário de funcionamento da unidade: Terça a sexta, das 7h às 21h30; sábado, das 9h às 21h; e domingo e feriado, das 9h às 18h30.

Bilheteria da unidade Vila Mariana: Terça a sexta-feira, das 9h às 21h30; sábado, das 10h às 21h; domingo e feriado, das 10h às 18h30.

 

Estacionamento: R$ 4,50 a primeira hora + R$ 1,50 a hora adicional (Credencial Plena: trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes). Para o público: R$ 10,00 a primeira hora + R$ 2,50 a hora adicional (outros). 200 vagas.

 

Sesc Vila Mariana

Rua Pelotas, 141, São Paulo – SP

Informações: 5080-3000

sescsp.org.br

Facebook, Twitter e Instagram: /sescvilamariana

Fonte: http://goo.gl/OtLVbP